Um dia eu vi...



Um dia eu vi o tempo
Rápido como o vento
Como eu vi não entendo
Mas precisa acreditar

Um dia eu vi a paz
Falando pra um rapaz
Que de tudo ele é capaz
Mas precisa se encontrar

Um dia eu vi a tristeza
Cheia de incerteza
Destruindo a beleza
Querendo me intimidar

Um dia eu vi a alegria
Destruindo a rebeldia
Trabalhando noite e dia
Para o mundo alegrar

Um dia eu vi o amor
Leve como uma flor
Não sabia o que era dor
Pediu pra me aproximar

Um dia eu vi a justiça
Discutindo com a cobiça
Expulsando a preguiça
Lutando pra melhorar

Um dia eu vi a vida
Procurando uma bebida
Para dar a um suicida
Para ele se acalmar

Um dia eu vi a morte
Andando de sul a norte
Procurando alguém mais forte
Que a pudesse derrotar

Um dia eu vi a fome
Procurando alguém sem nome
Aquele alguém que não come
Para poder o matar

Um dia vi o infinito
É um algo tão bonito
Que eu até admito
Conseguiu me impressionar

Um dia eu vi a verdade
Construindo uma amizade
E a mentira com saudade
De alguém pra enganar

Um dia eu vi o sonho
Andando todo risonho
Procurando alguém tristonho
Para o aliviar

Eu vi a felicidade
Junta com a bondade
Procurando a humildade
Para poderem caminhar

Um dia eu vi a fé
Tomando um café
Num lugar aí qualquer
Esperando alguém chamar

Depois de tudo eu vi Deus
Que tinha olhos como os meus
Ele não me disse Adeus
Mas partiu pra algum lugar.

(Sergio Rubens)
video

      Neste sábado dia 21/08, estivemos no bairro Caraíbas com a criançada da Cia Caras Caraíbas e a moçada da Cia. Culturarte numa manhã recreativa onde fizemos nós (Arte e Riso e Culturarte) uma longa caminhada do centro da cidade até o bairro Caraíbas, para nos encontrarmos todos e passarmos juntos uma manhã maravilhosa, onde brincamos com as crianças do bairro, cantamos cirandas e também ouve um espaço para que os dois grupos Culturarte e Caras Caraíbas se conhecessem e criassem um laço de amizade e companheirismo.
      Foi uma manhã muito proveitosa, as crianças do bairro se divertiram muito e claro a gente também, afinal é impossível, não se apaixonar por aquelas crianças.
      Aproveitamos para deixar o recado para toda a população de Umarizal. Os moradores do Bairro Caraíbas precisam de mais oportunidades para exercer diversas atividades ao invés de esmola que levam até lá em época de campanha política.
 
    
      Na noite do dia 20/08 comemoramos o anivérsario da nossa companheira de grupo Ariel Quizi, que completou singelos 15 anos. A data de seu aniversário ja tinha passado, mas o importante mesmo foi comemorar, mesmo que atrasado, o aniversário dela da maneira que mais gostamos e sabemos fazer que é com muita arte.
      Em frente a casa dela, fizemos o belíssimo sarau poético, com a presença do Arte e Riso, do Culturarte e de outros artistas e companheiros que estavam lá (Júnior de Gardel e Júnior de Nequinho), que participaram da noite tocando músicas e recitando poesias com a gente. A noite foi ótima, amigos e vizinhos também ficaram com a gente por um bom tempo, participando e ouvindo nossas poesias e nossas músicas.
      O mais importante é sempre estarmos fazendo nossa arte, seja nas calçadas, nas praças ou em qualquer lugar, comemorando aniversários ou o que quer que seja. Estamos sempre em todos os lugares.



A POESIA


Onde está

a poesia? Indaga-se

por toda parte. E a poesia

vai à esquina comprar jornal.
Cientistas esquartejam Puchkin e Baudelaire.

Exegetas desmontam a máquina da linguagem.

A poesia ri.
Baixa-se uma portaria: é proibido

misturar o poema com Ipanema.

O poeta depõe no inquérito:

Meu poema é puro, flor

Sem haste, juro!
Não tem passado nem futuro.

Não sabe a fel nem sabe a mel:

É de papel.

Não é como a açucena

Que efêmera

Passa.

E não está sujeito a traça

Pois tem a proteção do inseticida.

Creia,

O meu poema está infenso à vida.
Claro, a vida é suja, a vida é dura.

E sobretudo, insegura:

.........“Suspeito de atividades subversivas foi detido ontem

.........o poeta Casimiro de Abreu.”

.........“A Fábrica de Fiação Camboa abriu falência e deixou

.........sem emprego uma centena de operários.”

...... .. “A adúltera Rosa Gonçalves, depondo na 3ª Vara de Família,

...... ...afirmou descaradamente: ‘Traí ele, sim. O amor acaba, seu juiz.’”

O anel que tu me deste

era vidro e se quebrou

o amor que tu me tinhas

era pouco e se acabou

Era pouco? era muito?

........Era uma fome azul e navalha

........uma vertigem de cabelos dentes

........cheiros que traspassam o metal

........e me impedem de viver ainda

Era pouco? Era louco,

........................................um mergulho

no fundo de tua seda aberta em flor embaixo

.............................................................onde eu morria

Branca e verde

branca e verde

branca, branca, branca, branca,

......................................E agora

recostada no divã da sala

..........depois de tudo

..........a poesia ri de mim

Ih, é preciso arrumar a casa

que André vai chegar

É preciso preparar o jantar

É preciso ir buscar o menino no colégio

lavar a roupa limpar a vidraça

............................................O amor

(era muito? era pouco?

era calmo? era louco?)

.............................................passa

A infância

passa

a ambulância

passa

..............Só não passa, Ingrácia,

..............A tua grácia!

E pensar que nunca mais a terei

real e efêmera (na penumbra da tarde)

como a primavera.

...............E pensar

que ela também vai se juntar

ao esqueleto das noites estreladas

..............e dos perfumes

..............que dentro de mim gravitam

..............feito pó

(e um dia, claro,

ao acender um cigarro

talvez se deflagre com o fogo do fósforo

seu sorriso

entre meus dedos. E só).

Poesia – deter a vida com palavras?

.............................Não – libertá-la,

fazê-la voz e fogo em nossa voz. Po-

................................................esia – falar

................................................o dia

acendê-lo do pó

abri-lo

como carne em cada sílaba, de-

flagrá-lo

..............como bala em cada não

..............como arma em cada mão
...............E súbito da calçada sobe

...............e explode

...............junto ao meu rosto o pás-

...............saro? O pás

.............?
Como chamá-lo? Pombo? Bomba? Prombo? Como?

............................................................Ele

bicava o chão há pouco

era um pombo mas

...........................súbito explode

em ajas brulhos zules bulha zalas

.....................................................e foge!

............como chamá-lo? Pombo? Não:

............poesia

............paixão

............revolução



Ferreira Gullar




       
      Começamos a desenvolver mais um trabalho em mais uma escola do nosso município. Estamos com o projeto de criarmos mais um grupo de teatro na cidade, dessa vez será em parceria com a Escola Raimunda Barreto no Bairro COHAB. 
      Esse projeto será desenvolvido pela Cia. Arte e Riso à pedido de alguns alunos da escola, tendo total apoio da direção e do professor de artes Rodrigo Fernandes, um grande cartunista da cidade de Umarizal.
      Nessa última terça-feira dia 17/08 demos início as atividades tendo o primeiro contato com os alunos da escola, cada dia estivemos em uma turma diferente, conversando com os alunos e falando sobre a idéia de montarmos um grupo na escola, no qual tivemos uma boa aceitação por parte dos mesmos, na quarta dia 18/08 e na quinta dia 19/08 demos continuidade nas turmas restantes. 
      Na próxima quarta 25/08 estaremos dando inicios as oficinas de iniciação teatral com todos os alunos da escola, onde esperamos que dali saiam mais grandes artistas de nossa cidade.

       É a Cia. Arte e Riso continuando o seu trabalho de arte e cidadania sem mais bláh, bláh, bláh de horário político. Pois com a gente é assim, pouca conversa e muita ação.




      Gente! Faltam poucos dias para o inevitável, pois viveremos novamente A SENSAÇÃO, um novo Dilúvio irá acontecer! Por isso, vamos nos preparando, porque durante os dias 04, 05, 06 e 07 de Setembro na cidade de Lucrécia, em pleno sertão potiguar, onde o sol dia após dia castiga sem piedade todos os galegos. Durante o verão, haverá um temporal! Que resultará em uma gigantesca enchente que escorrerá pelas estradas, ruas, praças, calçadas, pelas casas com biqueiras sendo armazenadas em cisternas, nas com goteiras com seus caldeirões à pingar, enchendo a todos reservatórios, mudando tanto a realidade de maneira a proporcionar tamanha felicidade de se fazer até festa, ou queima de fogos, tudo e todos estarão transbordando, teremos outra chance de nos refrescarmos e cada vez prometemos ir mais fundo no mergulho, vamos brincar de capoete, de pular virando, brincar de buscar lama e jogar na cara dos que não tem fôlego ou coragem de se arriscarem em águas fundas, porém claras, vamos sentir o prazer de se jogar do alto e cair na força da sangria deixando-se levar pela correnteza, passando por rios indo ao encontro da imensidão do mar, até chegar no horizonte onde tudo é azul e não se sabe mais o que é céu e o que é mar, e assim se perder, viajar, flutuar, sentir, viver e nunca se preocupar em ser encontrado.


Postado por Jardeu Amorim
     A Cia. Arte e Riso retomou as atividades no bairro Caraíbas, juntamente com os professores e toda a diretoria da escola Pe. José Sauer para dar continuidade aos trabalhos culturais que vem sendo desenvolvidos desde o ano de 2009.
     Desta vez, depois de uma conversa com professores e diretoria da escola, ficou determinado que o projeto que iremos realizar com o grupo de teatro Caras Caraíbas durante o segundo semestre do ano de 2010 será sobre folclore, e se dará da seguinte forma:
     Primeiro faremos um levantamento da cultura local:
     Depois um estudo sobre o folclore brasileiro;
    Em seguida, com base nas informações adquiridas será montado um espetáculo teatral para ser apresentado para toda a comunidade umarizalense, e a princípio durante a festa do padroeiro 2010 que acontecerá no mês de setembro.
     Estamos a todo vapor!
É Arte e Riso,

É Caras Caraíbas,

É Culturarte,

É Escambo,

É arte,

Por toda parte

De Umarizal

        
     No último sábado na comunidade de Várzea Grande no município de Lucrécia - RN aconteceu o encontro cultural do movimento Escambo, onde na ocasião foi dado início aos encaminhamentos do planejamento para o IV Novartes e para o XXVII Escambo Popular Livre de Rua que serão realizados naquela cidade, muitos grupos participaram desse encontro, alguns que já fazem parte do movimento, alguns que estão retornando e outros que a partir de agora se engajaram na nossa luta.
     Infelizmente alguns grupos não puderam participar do encontro devido alguns probleminhas, mas mesmo assim foi bastante proveitoso com os que conseguiram ir.
Grupos que estavam presentes no encontro:

• Arte e Riso – Umarizal/RN

• Arte Ginga – Lucrécia/RN

• Artéria – Felipe Guerra/RN

• Abelharte - Felipe Guerra/RN

• Arte na Veia – Governador Dix Set Rosado – RN

• Cervantes do Brasil – CE

• CEJEC – Martins/RN

• Ciranduís – Janduís/RN

• Culturarte – Umarizal/RN

• Ginga Faceira - Janduís/RN

• Metamofarte – Lucrécia/RN

• Transformação – Campo Grande/RN

• Tribo da Arte – Lucrécia/RN

• Utopia – Fortaleza/CE

     Pois bem, os grupos chegaram cedo no local previsto e logo começaram as discussões. O que não foi problema a ser resolvido foi a data do evento que seguiu como a proposta inicial feita em Fortaleza, nos dias 04, 05,06 e 07 de Setembro de 2010. O IV Novartes e o XXVII Escambo Popular Livre de Rua, contará com aproximadamente 250 artistas de todo o Brasil, mostrando suas danças, apresentações teatrais, músicas, culturas, capoeiras, palhaços, protestos, além das oficinas de Percussão, Teatro, Palhaço, Malabares, Perna de Pau, Danças Folclóricas e Relaxamento que serão oferecidas à comunidade local, foi discutido e proposto que durante o evento os artistas façam um Censo Cultural em Lucrécia para catalogar todos os artistas da comunidade. Foram pré-definidos também, a programação dos quatro dias do evento, com os horários das refeições, cortejos, oficinas, apresentações nas comunidades, exibições de vídeos e ainda, os dias das apresentações de alguns grupos que só poderão ir ao evento depois do dia 05, como também a data do espetáculo “AS CRIANÇAS BRASILEIRAS” que o grupo Culturarte irá fazer como sua primeira apresentação no Movimento Escambo, e provavelmente será no (sábado) dia 04 de Setembro as 16:00h.
     A noite, como já faz parte das programações do movimento Escambo, houve muita poesia, teatro, palhaços e exibição de curtas feitos pelo Escambo.

            A cia Arte e Riso participou da comemoração do dia do estudante da Escola P. José Sauer do Bairro Caraíbas, junto com a meninada do grupo Caras Caraíbas animando e brincando com eles durante toda a manha no bosque municipal. Ainda sorteamos brindes para eles e distribuímos poesias paras os mesmos.
            Na tarde o Arte e Riso esteve participando também do dia do estudante da Escola 11 de Agosto que passou o dia inteiro com apresentações culturais, pela manha teve o grupo Culturarte, teve danças, desfile e etc. A tarde o Arte e Riso esteve participando também do evento, junto com outras apresentações da escola e a noite o Culturarte se apresentou mais uma vez.
            É isso ai, estamos sempre nos movimentando e participando de diversos acontecimentos em nossa cidade, promovendo alegria, arte e cidadania onde quer que a gente esteja.
           
           Este artigo foi publica nacionalmente através das redes de discussão da TVC, Escambo, teatro de rua no Brasil. E ainda foi publicado no site do Marcelo Souza (http://marcelosouzarn.com.br/blog/o-brasil-precisa-saber-disso-lindemberg-bezerra-cultura-popular-do-rn ).
        Um grito de socorro surge das comunidades de base no Oeste Potiguar. São poetas, palhaços, cantores, dançarinos, atores de rua, artesãos, capoeiristas... Gente fazendo a vida acontecer com arte, cultura e cidadania, sem apoios necessários.
        Respirando arte lutando por decência, políticas públicas de sustentação, reconhecimento constitucional, que ainda não encontramos na região. Nosso palhaço é balconista. A dançarina faxineira; as músicas de quem escuto, vêm do cantor que está na construção civil, por lá vira servente de pedreiro.
        E dessa forma, nos dividimos entre atos e boatos em busca da sobrevivência, ainda que tenhamos o compromisso de mudar a rotina diária da comunidade com tempos doados a ensaios e apresentações de rua, palcos, becos e eventos massificados.
        Somos nós quem pagamos bem os impostos, as roupas, a comida. Arcamos com o custo de vida. Compramos ainda nosso figurino, pagamos a costureira, tiramos um tiquinho da conta de luz pra comprar a maquiagem, ainda que seja da mais barata.
        Surgem políticas nacionais e estaduais que garantem democratização de recursos pra cultura. São frágeis por serem Políticas de Governo. O caminho está correto, mesmo assim, avançaremos com mais rigor com a política de estado e com a PEC 150.
        Se falarmos bem das dinastias interioranas, somos bons meninos... Idolatrados como filhos de podre, respeitador, obediente. Se reivindicarmos direitos e cobramos promessas de sonhos, somos desrespeitados pelos dignitários da soberania.
        Nos municípios não existe o fortalecimento da economia solidária da cultura popular. Isso porque não dá voto, não junta grande multidão pra atrair discursos fadonhos, redundantes e idéias ultrapassadas. A cultura popular é, às vezes, um ato de rebeldia pra maioria que se acham governantes, porque não consegue a ter nas mãos.
        Procuramos nosso espaço para caminhar com as próprias pernas. Quando nos juntamos, o Poder espalha, devasta aplicando Leis que civilizam os selvagens, que somos nós os filhos dos agricultores que ousam pensar, estudar, enfrentar a fúria.
        Ninguém jamais vai parar a arte popular ou pegar nas mãos dos artistas que fogem da severidade, da marginalização e das garras de algum patrão. Vida que segue, luta que não morre. Nós artistas somos irreverentes e diferentes e enxergamos mais do que aqueles que só vêem o umbigo e a ponta do nariz.
         
        A Gincana da Juventude ocorreu na cidade de Umarizal mas especificamente na Escola Estadual 11 de Agosto, com a organização da 14° DIRED e a participação de diversas escolas estaduais da região (Patú, Lucrécia, Umarizal, Olho Dágua, Messias Targino, Frutuoso Gomes, Martins, Antonio Martins e Rafael Godeiro).
          O evento teve diversas tarefas para as escolas e muitas dessas tarefas incluiam atividades culturais o que nos deixou muito contente, afinal temos como meta que a cultura invada as escolas para atingir os alunos.
          E por falar em atrações culturais a Cia. de teatro Culturarte, da Escola 11 de Agosto, (grupo formado com o apoio da Cia. Arte e Riso) foi quem representou a escola na parte teatral e se deu muito bem, pois entre as as atividades de teatro foi escolhida a melhor apresentação.Além da parte teatral teve também atividades com dança, música e muito, mas muito material reciclado, uma ótima iniciativa da 14° DIRED e das escolas, já que atualmente passamos por diversos problemas ambientais em nosso planeta.
           No mais gostaríamos de parabenizar o evento, independentemente do vencedor da gincana que foi a escola Josefina Xavier da cidade de Lucrécia, o evento foi muito bom, com um ótimo público e excelentes atividades. A Cia Arte e Riso claro teve que dar o ar de sua graça, literamente muita graça, afinal o fechamento das apresentações foi com a participação dos palhaços Lombriga e Gravatinha da Cia. Arte e Riso.
          Então parabéns para a organização do Evento, esperamos que aconteça cada vez mais pois estaremos sempre a disposição para ajudar e fortalecer acontecimentos como esse.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...